segunda-feira, 29 de julho de 2013

Ao sinal do semáforo




Um homem cruzou a rua
Olhou timidamente de um lado para o outro
E simplesmente cruzou a rua
Lento como a noite apenas cruzou a rua
Buscou em seu bolso, ou em si mesmo, um cigarro
Acendeu-o calmamente
Calmamente o fumou.
Calmamente cruzou a rua
Do outro lado nada o esperava
Apenas cruzou a rua
Apenas cruzou a rua
Apenas cruzou a rua
Cruzou a rua
A rua 


Lima de Vasconcelos

segunda-feira, 1 de julho de 2013

O bêbado e o desequilíbrio


Ontem não foi o passado
Do qual me orgulho de lembrar
Nada foi escrito, só apagado.

Ontem! Foi nada
Tudo é hoje!

Talvez uma taça quebrada,
Ou mesmo um copo espedaçado
Válvula de escape para o veneno
Antes para fora, que aqui para dentro.

E os beijos que dei,
Eles não ficaram em mim,
Só o lembrar atordoado desse dia

Que agora por diante, vou ter com agonia.

Lima de Vasconcelos