terça-feira, 30 de junho de 2015

Sobre um encontro celeste


La no céu alto
Em imagináveis distâncias
Vênus encontra Saturno,
Além das barreiras limitadas do amor humano
Na sideral nebulosa cósmica
No vazio espaço, os gestos mudos falam de amor
Amor quente, centro de estrela, beijo de mulher
Talvez um encontro esperado por milhões de anos,
Talvez apenas um dia.
Espera por você passar, espera por você me olhar
Talvez, apenas espera.
Espera na rua de tua casa.
Mas, não falo a tua língua,
Nem moro em tua rua.
Lá no céu alto
Vênus corteja Saturno,
Dança frenética de amor.
Enquanto a Via-Láctea transa a suas corres.
Como eu queria morar em tua rua
Ser teu satélite,

E ter você nua.


Lima de Vasconcelos

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Pareidolia


A nuvem emblemática retorce-se toda no céu
De repente assume a forma de Jesus Cristo,
Fé suspensa no ar,
Esperança para os corações tristes
Que se acaba ao leve sopro de um vento maroto,
Fé perdida
Vento mau.

De repente a nuvem sobe para a áurea do sol
Se molda em forma de mulher
Amante, namorada, esposa
Seios despidos de nuvens,
Sorrisos soltos,
Pernas que se afastam lentamente com o leve balançar da brisa
Corpo que se desfaz e se refaz.

A nuvem além do horizonte
Assume forma de anjo
As pessoas se amontoam
Para encher seus corações de esperança,
O dono do anjo de nuvens
Sonho abstrato de ícaro
Atento observador
Cobra ingressos
Ingressos para renovar a fé
Ingressos para estar mais próximo de Deus,
O anjo porém, triste
Se desfaz em chuva,

Chuva triste, com longas gotas de silêncio.

Lima de Vasconcelos