quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Soneto patético



De um olhar nasceu o encanto

De um sorriso, viveu o amor

Da distância se fez o pranto

E da solidão, nutriu-se a dor.


Da amizade brotou-se a paixão

De um: - oi, se fez uma declaração.

O nosso amor é impossível

Nunca seremos um, sempre seremos dois.


Se eu a encontro na escola

Me distraio e perco a hora;

Mas você não me ama, e agora?


Amo-te sem conhecer o porquê

Espero-te sem saber para quê,

E então, o amor serve de quê?





Escrito em uma noite de junho de 2004
Lima de Vasconcelos

Nenhum comentário:

Postar um comentário