terça-feira, 15 de maio de 2012

Poema da Meia Noite





Distante dos carros, no silencio do seu quarto
O poeta trabalha a sua poesia
Rabiscando frase por frase
Estrofe por estrofe
Até chegar a forma mágica, o poema
Frio como a morte
Quente como o fogo
E triste como o poeta.
Tu poeta que rabisca declarações
Que sonha com o mundo,
Que tem os olhos úmidos em lágrimas.
Tu poeta que já sente o coração
Bater cansado em seu peito
Que já ouve os sinos
Dobrarem o teu corpo.                                                                                                                                                                                                                                                                         

Lima de Vasconcelos

Nenhum comentário:

Postar um comentário